Governabilidade: you are doing it wrong

Fizeram um Ministério péssimo, defensores governistas justificaram como sendo concessões necessárias para a governabilidade. Logo em seguida perderam a primeira grande votação na Câmara: a presidência foi para Eduardo Cunha. Depois de outras perdas menores, perderam hoje a batalha do orçamento impositivo, que obriga a liberação de verbas das emendas parlamentares.

E o mais bizarro de tudo: depois de ficarem tanto tempo falando em reforma política, pedindo até uma constituinte exclusiva, o governo perdeu completamente a iniciativa. O partido ficou de fora da comissão de reforma política instalada na Câmara que vai ser presidida pelo DEM of all parties.

Falo há alguns anos que não consigo ver muito claramente os objetivos de esquerda que estão sendo alcançados através da governabilidade. Políticas como Bolsa Família não colam como resposta pra mim por já serem conquistas estabelecidas, além de serem muito pequenas quando se olha o bolo todo.

Só as desonerações tributárias concedidas ano passado dão 4x o Bolsa Família para o ano, pra se ter uma ideia. E ainda assim, o Bolsa Família tem é perdido preponderância com Dilma: não teve reajuste que cobrisse sequer a inflação. Nunca é demais lembrar que o Bolsa Família era um modelo combatido pelo partido e foi altamente criticado quando foi proposto, veja só que simbólico, pelo Ministro da Fazenda Antônio Palocci. Só virou queridinho do partido depois de ter se tornado uma fonte de popularidade.

A bonança econômica, potencializada pela melhoria dos termos de troca a partir do primeiro governo Lula e pelas melhorias mecroeconômicas implantadas por Marcos Lisboa, levou muita gente a melhorar de vida. Mas fica cada vez mais distante no passado e a cara feia do desemprego já desponta, seguindo quatro anos de barbeiradas da presidente que ainda nos governa, também potencializadas pela piora nos termos de troca.

Então, convido todos a pensar: a governabilidade é pra fazer o quê, exatamente? Porque avanço na agenda progressista não tem.